sábado, 10 de maio de 2008

Floreios a Baudelaire


As flores nos desvãos
são desvios
desnovelos, desvelos
desvarios
as flores rés do chão.

São floreios
ao céu, ao espírito
flores de libertação.

Cativas belezas
eternas e mudas
as flores de pedra
são flores ao léu.

As flores são cores sobrepostas.
As flores, rotas ou vivazes
enfileiradas e mortas.

As flores retas
são as flores
ainda mais tortas.

Flores da diva, flores da vida
flores dádivas, flores cápsulas
flores do embuçado, do enforcado
são as Fleurs du Mal.

3 comentários:

Ricardo Sant´Anna Reis disse...

Regina:
Lindas flores de maio. Bjs com carinho e poesia.

Cláudia:
Aroma de flores no ar...Belíssimo poema!
Beijospoetamaior...

Jiddu:
Ricardo, esse poema é uma obra prima, lindíssimo... musical e bonito leve e profundo, grande abraço!

Ricardo Sant´Anna Reis disse...

transpostos do orkut

Toda Poesia disse...

Uau... maravilha... adorei. Voltarei sempre aqui. Acabo de descobrir um veio de beleza. Abraços.

Evoé!

Saiba que a sua visita e o seu comentario dão sentido a este espaço, que alem de divulgar poemas, quer conversar sobre a vida. Esteja em sua casa.

Ricardo Sant'Anna Reis 21.9170-9004

Ricardo Sant'Anna Reis  21.9170-9004
"rondava a rosa à poesia pelos jardins das flores tanto mais diversa a rosa quanto mais forem os amores". Sociólogo, poeta e editor, publiquei em antologias e recebi alguns premios literários. Tenho dois livros: "Diario da Imperfeita Natureza" e "Derradeiro Prelúdio" (no prelo). Pretendo aqui interagir com voce sobre poesia ou qualquer outro assunto relevante.

Seguidores