quarta-feira, 14 de maio de 2008

Lua no breu


a lua quando nasce
é um cisco
semente
serenata
flutuando ao léu

de corpo crescente
ou minguante
uma nau
brincante no céu

que navega e reluz
entre as estrelas
entalhes de prata

luz que silencia
no alto
um enigma
que a todos conduz

caminhemos
tu e eu
em alento júbilo
de peregrino
pela clara beleza da noite

enquanto a lua
agora plena
vai desafiando o breu

Cláudia Gonçalves & Ricardo Reis

Um comentário:

LIRÓZINHA CARNEIRO disse...

biNossa....eu amo esse poema e êle me parece nascido das entranhas do poeta e sei que foi....PARABÉNS E continue sempre inspirado e iluminado para a arte de dizer a vida em versos .

Evoé!

Saiba que a sua visita e o seu comentario dão sentido a este espaço, que alem de divulgar poemas, quer conversar sobre a vida. Esteja em sua casa.

Ricardo Sant'Anna Reis 21.9170-9004

Ricardo Sant'Anna Reis  21.9170-9004
"rondava a rosa à poesia pelos jardins das flores tanto mais diversa a rosa quanto mais forem os amores". Sociólogo, poeta e editor, publiquei em antologias e recebi alguns premios literários. Tenho dois livros: "Diario da Imperfeita Natureza" e "Derradeiro Prelúdio" (no prelo). Pretendo aqui interagir com voce sobre poesia ou qualquer outro assunto relevante.

Seguidores