sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Seda Pura



Eu quero você
quero porque te quero
seja chique, em poesia
seja brega, num bolero

Eu quero você
quero porque te quero
Os entraves desta vida
o mato crescido na trilha
eu corto tudo no cutelo

Dos acertos
o maior foi amar-te
Dentre os meus erros
quase nada a comparar-se
ao pecado de sentir
no arrepio do toque
a seda pura de teu corpo
e teus mamilos à eriçar-se

Perdido entre os teus pelos
finda-se para mim o medo
e vivo o maior dos anseios
inebrio de puro Eros

Eu quero você

e quero

porque te quero

Um comentário:

LIRÓZINHA CARNEIRO disse...

Nossa !Sem comentário.Belíssimo !!!
Vc é demais POETA !

Evoé!

Saiba que a sua visita e o seu comentario dão sentido a este espaço, que alem de divulgar poemas, quer conversar sobre a vida. Esteja em sua casa.

Ricardo Sant'Anna Reis 21.9170-9004

Ricardo Sant'Anna Reis  21.9170-9004
"rondava a rosa à poesia pelos jardins das flores tanto mais diversa a rosa quanto mais forem os amores". Sociólogo, poeta e editor, publiquei em antologias e recebi alguns premios literários. Tenho dois livros: "Diario da Imperfeita Natureza" e "Derradeiro Prelúdio" (no prelo). Pretendo aqui interagir com voce sobre poesia ou qualquer outro assunto relevante.

Seguidores