quarta-feira, 9 de abril de 2008

CINZA INTERIOR

A Ferreira Gullar
A casa é sempre presença.
É chão com falhas que esconde o cisco de ovo não varrido.

A casa ressende a café da manhã e a outros cheiros de um dia começando misturados aos ficados da noite.
A casa é o trabalho dos anos
é a oclusão dos cantos
é a ruminação dos insetos.

A casa é o vento forte da tarde.
É a espera pela chuva para o viver do telhado.
A casa é saudade, é beiral de abrigar ninhos
algaravia das andorinhas.
É amor de pai
prontidão de filho
promessas de eternidade.

A casa é o vinho do porto
acalentando uma noite fria
noite de amor lúbrico.
A casa é o choro da criança
é lugar de morte e de vigília
a casa é a casa da fazenda
donde se avista, desde o alpendre
os pastos no vale umbrífero
lá no longe da memória.

É útero ubérrimo, a casa
a parir os aconchegos
e a preguiça doce do não-ser.

3 comentários:

Ricardo Sant'anna Reis disse...

(transcrito de Email)

Caro Ricardo, obrigado pelo belo poema a mim dedicado. Abrs.Gullar

Ricardo Sant'anna Reis disse...

É uma honra ter este retorno do poeta maiór. Obrigado mestre.

Ricardo Sant'Anna Reis disse...

(transposto de outro Blog)

Ricardo, belíssimo poema! Parabéns! Ele nos transporta
a odores, sabores, saberes
e lembranças. Adorei!

Luiza Moreira

Evoé!

Saiba que a sua visita e o seu comentario dão sentido a este espaço, que alem de divulgar poemas, quer conversar sobre a vida. Esteja em sua casa.

Ricardo Sant'Anna Reis 21.9170-9004

Ricardo Sant'Anna Reis  21.9170-9004
"rondava a rosa à poesia pelos jardins das flores tanto mais diversa a rosa quanto mais forem os amores". Sociólogo, poeta e editor, publiquei em antologias e recebi alguns premios literários. Tenho dois livros: "Diario da Imperfeita Natureza" e "Derradeiro Prelúdio" (no prelo). Pretendo aqui interagir com voce sobre poesia ou qualquer outro assunto relevante.

Seguidores