terça-feira, 28 de abril de 2009

SACRO AMOR PAGÃO


Tenho por ti, meu amor
adoração.

A devoção vermelha
que se deve às coisas raras.
Honrando-te
me dobram os joelhos
em circunflexão à santa
minha santa pagã de oratório.

O que sinto ao teu lado
dizer, portanto
redundaria em palavrório.


Só sei que não é como no céu
tampouco como no purgatório.

Ah, se eu quero mesmo ser conciso
mesmo que o Deus desde o pálio me castigue
Amar-te muito mais se assemelha
a um pleno e adâmico viver no paraíso.

3 comentários:

LirÓ CarneirO disse...

Lindo POEMA !
Como tudo o que vc faz !
Lindo demais !

bjO ...
LirÓ CarneirO

Ricardo Sant'anna Reis disse...

(recebido por email)

Belo poema, meu caro Ricardo, de forte conteúdo erótico-religioso. Abraço do Gilberto Mendonça Teles.

Ricardo Sant'anna Reis disse...

obrigado, mestre Gilberto....deixa-me muito feliz e certo de que o caminho da poesia é para mim um caminho sem volta no rumo da beleza, receber um comentario como este de um poeta maior como voce...evoé, mestre...

Evoé!

Saiba que a sua visita e o seu comentario dão sentido a este espaço, que alem de divulgar poemas, quer conversar sobre a vida. Esteja em sua casa.

Ricardo Sant'Anna Reis 21.9170-9004

Ricardo Sant'Anna Reis  21.9170-9004
"rondava a rosa à poesia pelos jardins das flores tanto mais diversa a rosa quanto mais forem os amores". Sociólogo, poeta e editor, publiquei em antologias e recebi alguns premios literários. Tenho dois livros: "Diario da Imperfeita Natureza" e "Derradeiro Prelúdio" (no prelo). Pretendo aqui interagir com voce sobre poesia ou qualquer outro assunto relevante.

Seguidores