terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

O mal que me Mata*



Ah, que gran ben de amor eu sinto
e que hai de facer-me Eterno
entre os mortais?

Que ben de amor que sexa
como unha inmensa dor
que despois deixa a verter
desde cantigas polos laranjais?

Que mal habería que non
se sinto no pressentir
un nubio enegrescer?

Ah, que máis ben habería
que o ben das hirtas flores
das marabillosas acordos
dos vãos cantante
a saúde o Deus en cada
novo alvorescer?

Que ben me levarão a morte
cando o corpo ao cansaço
se romper, e ao peso enorme do pasado
que revive sobre meus pés?

Se pedi a protección da virxe santa.
Se me agrada ser infiel.
Se te saciei a fame tanta
entón, mata-me a sede co teu mel.

Non quero revisar batallas que outrora
en un día prosperou
eu estiven a loitar
pero que perda ...

Que non quero que a vida segue
só por soportar, a acordo
nas praias das ilusões perdida.

ninguén sabia-te, nin eu que ta tive, te coñecida
a punto de te prever un consumido destino.
aínda que eu te queira na miña vida
impregnada de bonomia, sen de librar-se
da sensación de amado en desatino.
*escrito no idioma luso-galaico.

Um comentário:

LIRÓZINHA CARNEIRO disse...

Viajei longe neste teu poema !!!
tua poesia é a mais linda das viagens ...Obrigada por deixar-me percorrer outros outros lugares, apenas a ler-te, POETA ! belíssimo

Evoé!

Saiba que a sua visita e o seu comentario dão sentido a este espaço, que alem de divulgar poemas, quer conversar sobre a vida. Esteja em sua casa.

Ricardo Sant'Anna Reis 21.9170-9004

Ricardo Sant'Anna Reis  21.9170-9004
"rondava a rosa à poesia pelos jardins das flores tanto mais diversa a rosa quanto mais forem os amores". Sociólogo, poeta e editor, publiquei em antologias e recebi alguns premios literários. Tenho dois livros: "Diario da Imperfeita Natureza" e "Derradeiro Prelúdio" (no prelo). Pretendo aqui interagir com voce sobre poesia ou qualquer outro assunto relevante.

Seguidores